Angelus 30/06/2013

Deixe um comentário

Mais de 300 artistas subirão aos palcos dos Atos Centrais na JMJ

Deixe um comentário

01Os Atos Centrais da JMJ Rio2013 estarão permeados de atrações musicais. Artistas brasileiros e internacionais se revezarão. De acordo com a diretora musical dos Atos Centrais, Ziza Fernandes, a programação foi pensada para privilegiar os cinco idiomas oficiais (inglês, espanhol, português, francês e italiano). Estão previstos pelo menos 300 artistas nos palcos centrais de Copacabana e Guaratiba. Missa de abertura, Boas-Vindas ao Papa Francisco, Via-Sacra, Vigília de Oração e Missa de Envio são os Atos Centrais da Jornada.
Cantores do Brasil, Chile, Espanha, Estados Unidos, Nicarágua, República Dominicana, Argentina, Porto Rico, México, Alemanha, Coréia do Sul, Costa Rica e Colômbia ficarão responsáveis por animar a juventude. As apresentações musicais serão acompanhadas pela banda oficial da JMJ Rio2013 ou pela orquestra sinfônica de Barra Mansa, Rio de Janeiro.
Além dos cantores, DJs vão apresentar o melhor da música eletrônica católica aos peregrinos. Segundo Ziza, a escolha dos artistas para apresentação nos palcos principais foi feita a partir das inscrições para o Festival da Juventude.

Missa dos peregrinos
O primeiro Ato Central, Missa de acolhida dos peregrinos, será animado por cantores da cidade-sede da JMJ Rio2013. Os 100 cantores que formam o “Coral Carioca JMJ” pertencem a diferentes regiões da cidade e foram convidados pela equipe dos Atos para representarem as paróquias da Arquidiocese do Rio de Janeiro e seus ministérios de música. Essa será a primeira vez que os artistas se apresentarão juntos.
Ensaiados pelo preparador vocal Tony Lucchesi, os jovens cantores, que têm idade média de 28 anos, irão cantar cerca de 30 músicas. Além dos 100 jovens, mais três voluntários internacionais cantarão no coral para fazer o solo da versão do Hino da JMJ Rio2013 em outros idiomas.
O Ministério Missionário Shalom, os cantores Suely Façanha, Davidson Silva, Cristiano Pinheiro, Ana Gabriela, Alfareros, Rodrigo Ferreira (Missão Louvor e Glória), Migueli, Rex Band e a Orquestra Sinfônica de Barra Mansa completam o coral da cerimônia.
Às 18h, a chegada da Cruz Peregrina e do Ícone de Nossa Senhora, símbolos da JMJ Rio2013, chegam ao palco de Copacabana. Os símbolos serão recebidos pelos cantores que interpretarão a canção “Emanuel”, acompanhados da Orquestra e do Coral Carioca JMJ. Após as apresentações, Dom Orani sobe ao altar do palco central junto com cardeais, bispos, padre e seminaristas, sob o canto do coral, para presidir a Missa.

Artistas de todo o País
Na quinta-feira, 25 de julho, todas as regiões do Brasil serão apresentadas musicalmente por artistas nativos. Entre eles, um coral com cerca de 60 crianças cantarão em guarani, um dos idiomas indígenas do Brasil.
Na sexta-feira, 26 de julho, a Via-Sacra, que será encenada em 13 palcos espalhados pela praia de Copacabana, será representada instrumentalmente no palco principal. Inspiradas nas obras de Beethoven, compositor preferido do Papa Francisco, as melodias mesclam os estilos erudito e pop.
O sábado, 27, em diversos momentos da programação, os peregrinos participarão do ensaio do grande flash mob que será apresentado para o Papa Francisco no domingo. Entre os artistas que passarão pelo palco do Campus Fidei estarão os músicos do grupo Gen Rosso. Eles apresentarão um musical que contará com 200 ex-dependentes químicos como figurantes.
A Missa de Envio dos jovens peregrinos presidida pelo Papa será animada pelo “Coral Carioca” e por cantores de diversas nacionalidades que farão o solo das músicas litúrgicas. Antes da celebração, no entanto, os peregrinos serão animados pelo Show dos Padres, que contará com a participação de nove padres-cantores brasileiros, entre eles padre Reginaldo Manzotti, padre Fábio de Melo e padre Marcelo Rossi.
Artistas participantes – 23 de julho
“Coral Carioca JMJ”, Ministério Missionário Shalom, Suely Façanha, Davidson Silva, Cristiano Pinheiro, Ana Gabriela, Alfareros, Rodrigo Ferreira (Missão Louvor e Glória), Eros Biondini, Francisco Avello, Celina Borges, Migueli, Rex Band e Orquestra Sinfônica de Barra Mansa.

Artistas seculares
Segundo a assessoria de imprensa da JMJ Rio2013, do meio secular, apenas os artistas Luan Santana e Fafá de Belém, terão participações musicais no evento.
O cantor Luan Santana fará uma participação na noite de sábado, 27, cantando uma música que fará referência à oração do Pai Nosso. Já Fafá de Belém, fará um dueto com a cantora católica Nazaré.
Sobre artistas internacionais, a assessoria informou que serão apenas dois cantores seculares da Argentina, representando também a cultura popular do país de Francisco.

Fonte: http://www.cancaonova.com

Angelus: Deus quer cristãos livres para ouvir sua voz.

Deixe um comentário

01O Papa Francisco rezou este domingo a oração do Angelus com milhares de fiéis e peregrinos na Praça S. Pedro.
Na alocução que precedeu a oração mariana, o Pontífice comentou o Evangelho deste domingo, que mostra uma passagem muito importante na vida de Cristo: o momento em que – como escreve São Lucas – “Jesus tomou resolutamente o caminho de Jerusalém”.
Jerusalém é a meta final, onde Jesus deve morrer e ressuscitar na sua última Páscoa, e assim levar a termo a sua missão de salvação. A partir daquele momento, Jesus fixa a meta, e inclusive às pessoas que encontra e que pedem para segui-Lo, fala claramente quais são as condições: não ter uma moradia estável; desapegar-se dos afetos humanos; não ceder à nostalgia do passado.
Aos seus discípulos, encarregados de precedê-lo no caminho rumo a Jerusalém para anunciar a sua passagem, Jesus diz que não imponham nada: se não encontrarem disponibilidade a acolhê-Lo, que continuem, que se prossiga. Jesus jamais impõe, Ele é humilde e convida.
“Tudo isso faz pensar”, disse o Papa, pois nos diz a importância que, também para Jesus, teve a consciência: o escutar no seu coração a voz do Pai e segui-la. Jesus, na sua existência terrena, não era, por assim dizer, “teleguiado”: era o Verbo encarnado, o Filho de Deus feito homem, e a um certo ponto tomou a firme decisão de ir a Jerusalém pela última vez; uma decisão tomada na sua consciência, mas não sozinho: com o Pai, em plena união com Ele! Decidiu em obediência, em escuta profunda. E por isso a decisão era firme, porque tomada com o Senhor.
“Jesus quer cristãos livres como ele. Com aquela liberdade que vem deste diálogo com o Pai. Jesus não quer nem cristãos egoístas, que seguem o próprio eu e não falam com Deus, nem cristãos fracos, que não têm vontade, cristãos teleguiados, incapazes de criatividade. A liberdade está no diálogo com Deus na própria consciência. Se um cristão não sabe falar com Deus na própria consciência, não é livre.”
Por isso, acrescentou, devemos aprender a escutar mais a nossa consciência. Mas atenção! – advertiu o Pontífice: “Isso não significa seguir o próprio eu, fazer o que me interessa, o que me convém, o que eu gosto… Não é isso! A consciência é o espaço interior da escuta da verdade, do bem, da escuta de Deus; é o lugar interior da minha relação com Ele, que fala ao meu coração e me ajuda a discernir, a compreender o caminho que deve percorrer, e uma vez tomada a decisão, a ir avante, a permanecer fiel”.
Recentemente, disse Francisco sob aplausos, tivemos um exemplo “maravilhoso” de como é esta relação com Deus na própria consciência: “Bento XVI nos deu um grande exemplo neste sentido, quando o Senhor lhe fez entender, na oração, qual era o passo que ele tinha que dar. Ele seguiu, com grande sentido de discernimento e coragem, a sua consciência, ou seja, a vontade de Deus que falava ao seu coração. É um exemplo a seguir”.
Que Nossa Senhora, concluiu, “nos ajude a nos tornar sempre mais homens e mulheres de consciência, capazes de escutar a voz de Deus e segui-la com decisão”.
Após rezar o Angelus, Francisco recordou que hoje se celebra o Dia do Papa. “Desejo agradecer aos Bispos e a todas as paróquias, especialmente as mais pobres, pelas orações e ofertas que socorrem tantas iniciativas pastorais e caritativas do Sucessor de Pedro em todas as partes do mundo. Obrigado a todos!”
Por determinação da VII Assembleia da CNBB, em todas as igrejas e oratórios, mesmo dos mosteiros, conventos e colégios, comemora-se o Dia do Papa com pregações e orações e generosas ofertas para o Óbolo de S. Pedro.

Fonte: http://www.radiovaticana.va

Série Sacra Musica: Camerata Jovens Lobos

Deixe um comentário

01O Núcleo fé e Cultura da PUC-SP e a Paróquia Imaculado Coração de Maria apresentam a Série Sacra Musica: Camerata Jovens Lobos com regência de André Lucas.
A Camerata visa a formação de jovens músicos para que possam desenvolver seus talentos e ter uma formação musical e social. No programa obras de Pachelbel, Bach, Vivaldi, Telemann e outros.
O evento acontecerá domingo,30 de junho, na Capela da PUC- São Paulo, rua Monte Alegre 948, Perdizes. A entrada é franca.

Fonte: http://www.zenit.org

Presidente da CNBB celebra com Papa Francisco e entrega Nota sobre manifestações

Deixe um comentário

01Cardeal dom Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida (SP) e presidente da CNBB esteve com o Papa Francisco na tarde desta quinta-feira, 27 de junho. Na manhã desta sexta-feira, 28 de junho, ele celebrou com o Papa e, em seguida, concedeu entrevista sobre esses encontros nos estúdios da Rádio Vaticano. Leia o que ele disse ao repórter Silvoney José:

Como foi a visita que o senhor fez ao Papa Francisco?

Estive com o Santo Padre, ontem a tarde, juntamente com o meu bispo auxiliar, dom Darci Jose Nicioli. Fomos falar com o Santo Padre acerca da sua viagem a Aparecida. Santo Padre estava muito contente, distensionado, alegre e, até, brincando. Um dos pontos principais era aquele da celebração eucarística em Aparecida. Nós tínhamos a informação de que a celebração deveria ser no interior da Basílica e isso nos preocupava porque aguardamos, em Aparecida, um número de 200 a 300 mil pessoas, por ocasião da visita do Papa. A Basílica é grande e muito bonita e cabe cerca de 30 mil pessoas em pé, mas que, por razão de segurança, o número seria reduzido a 15 mil pessoas e teríamos fora, cerca de 200 mil pessoas. Expus essa situação ao Santo Padre. Os peregrinos que forem a Aparecida, no dia 24 de julho, para encontrarem-se com o Santo Padre e visitar o Santuário, certamente querem participar da celebração eucarística e ver o Santo Padre, pessoalmente, e não apenas através dos telões que, normalmente, colocamos na área externa nessas grandes celebrações. E o Santo Padre se manifestou completamente de acordo, completamente aberto com essa proposta. Desse modo, devo me encontrar com o doutor Gasbarri (Alberto Gasbarri, organizador das viagens internacionais do Papa) para fechar, digamos assim, alguns detalhes a mais sobre a visita do Papa a Aparecida que vai ser uma visita relativamente curta, de um dia, mas, para nós, uma visita de muito significado. É o Papa Francisco que se faz peregrino com os peregrinos de Nossa Senhora Aparecida. E ao ir ao Santuário, manifestando sua devoção, seu amor a Nossa Senhora, ele está, de certo modo, se unindo a todos os peregrinos, a todos os brasileiros, porque Nossa Senhora Aparecida é a nossa padroeira, padroeira de todo o país. A visita, portanto, é simbólica, muito significativa para o Santo Padre, para nós em Aparecida e para todo o Brasil.

O Papa está acompanhando as manifestações populares no Brasil?

Eu creio que sim, mas não preocupado com isso. Eu entreguei ao Santo Padre a Nota Oficial da CNBB a respeito das manifestações. Ele não conhecia a Nota. Pelo que eu percebi do Santo Padre, ele vê tudo isso como algo, de certo modo, normal, natural, num país democrático onde as pessoas podem e devem, às vezes, manifestar seus anseios, desejos, reivindicações para que o governo, então, procure ler, interpretar o que as pessoas estão querendo dizer aos nossos dirigentes, à nossa sociedade e procure tomar as medidas necessárias, cabíveis para atender essas reivindicações quando elas são justas. Claro que não se trata de apoiar nenhuma manifestação que parta para agredir as pessoas, violar direitos das pessoas, depredar o patrimônio publico ou privado. Nada justifica, em nenhuma manifestação, esse tipo de violência. As manifestações pacíficas, quando realmente querem contribuir para o bem do País, chamando atenção para determinadas políticas públicas, são necessárias e fundamentais. E nas manifestações pelo Brasil, nós percebemos uma grande presença dos jovens e nós temos a Campanha da Fraternidade desse ano justamente sobre os jovens, na qual afirmamos que os jovens devem exercer um protagonismo na vida comunidade paroquial e também na vida social. É importante que os jovens se manifestem. Eles devem participar da vida política e social do nosso país e estão participando, contanto que seja dentro da ordem, dentro do respeito às leis. E que também a Polícia, que tem como missão garantir a segurança dos cidadãos, a ordem no interior de nossas cidades, do nosso País, que saiba respeitar essas manifestações de modo que elas transcorram num clima de harmonia, de respeito e de tranquilidade.

Fonte: http://www.cnbb.org.br

Evangelho – Mt 16,13-19

Deixe um comentário

Evangeliario+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 
Naquele tempo: Jesus foi à região de Cesaréia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; Outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Simão Pedro respondeu:
“Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz es tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra  será desligado nos céus”.
Palavra da Salvação.

Protomártires da Igreja de Roma

Deixe um comentário

santo do diaDepois da solenidade universal dos apóstolos São Pedro e Paulo, a liturgia nos apresenta a memória de outros cristãos que se tornaram os primeiros mártires da Igreja de Roma, por isso, protomártires.
O testemunho dos mártires da nossa Igreja nos recorda o que é essencial para a vida, para o cristão, para sermos felizes em Deus, principalmente nos momentos mais difíceis que todos nós temos.
Os mártires viveram tudo em Cristo.
No ano de 64, o imperador Nero pôs fogo em Roma e acusou os cristãos. Naquela época a comunidade cristã, vítima de preconceitos, era tida como uma seita, e inimiga, pois não adoravam o Imperador.
Qualquer coisa que acontecia de negativo, os cristãos eram acusados. Por isso, foram acusados de terem posto fogo em Roma, e a partir daí, no ano 64, começaram a ser perseguidos.
Os escritos históricos em Roma narram que os cristãos eram lançados nas arenas para servirem de espetáculo ao povo, junto às feras. Cobertos de piches, como tochas humanas e muitos outros atos atrozes.
E a resposta era sempre o perdão e a misericórdia.
O Papa São Clemente I escreveu: “Nos encontramos na mesma arena e combatemos o mesmo combate. Deixemos as preocupações inúteis e os vãos cuidados e voltemo-nos para a gloriosa e venerável regra da nossa tradição: consideremos o que é belo, o que é bom e o que é agradável ao nosso criador.”

Protomártires da Igreja de Roma, rogai por nós!

Older Entries