Cisco – A busca

Deixe um comentário

01

Fonte: http://www.ciscodoamor.com.br

Anúncios

Avança processo de beatificação da Focolarina Ginetta Calliari

Deixe um comentário

01No próximo dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, inicia-se uma nova fase do processo de beatificação de Ginetta Calliari, cofundadora do Movimento dos Focolares no Brasil. A próxima etapa diz respeito ao envio dos documentos do Brasil para o Vaticano. A data será marcada por uma Celebração Eucarística, presidida pelo Bispo da Diocese de Osasco, Dom Ercílio Turco, na Catedral da cidade.
Segundo Dom Ercílio, a candidata aos altares serve de exemplo para toda a sociedade. “Ginetta foi leiga. Sua vida mostra a todos os leigos e leigas que é possível amar, é possível viver a fé hoje! Mostra que um caminho de santidade suscita transformações, cria novas perspectivas, promove a fé, a paz, a unidade. Precisamos dessa unidade, quando, por toda parte, existem tantas divisões”.
Neste Ano da Fé, destaca o bispo, Ginetta é para nós um modelo de fé em Deus, de adesão à sua Palavra e de confiança plena em sua vontade. Toda a sua vida evangeliza, através de sua ação em vista da construção do Reino de Deus, para que haja vida e todos sejam um.
Ginetta Calliari chegou ao Brasil em 1959, na cidade de Recife, com outros sete jovens, entre os primeiros que seguiram Chiara. Faleceu em 8 de março de 2001. Seus livros, seus escritos e suas reflexões que agora fazem parte do material de estudo sobre sua vida e sua santidade, são um estímulo para os católicos na construção de um mundo novo.

Fonte: http://www.cancaonova.com

O afeto dos cardeais ao Papa

Deixe um comentário

01“Hoje, queremos mais uma vez expressar-lhe toda a nossa gratidão.” Assim, o Decano do Colégio Cardinalício, Card. Angelo Sodano, saudou o Papa Bento XVI, na Sala Clementina, em nome de todos os cardeais presentes em Roma.
“Com grande trepidação, os Padres Cardeais se unem ao seu redor, Santidade, para manifestar-lhe mais uma vez seu profundo afeto e expressar-lhe viva gratidão por seu testemunho de abnegado serviço apostólico, pelo bem da Igreja de Cristo e de toda a humanidade.”
Recordando as palavras pronunciadas pelo Pontífice sábado passado, no final dos Exercícios Espirituais, quando agradeceu a todos por esses quase oito anos, durante os quais seus colaboradores carregaram com competência, afeto, amor e fé o peso do ministério petrino, o Cardeal afirmou que é o Colégio que deve agradecer pelo exemplo que o Papa deu em todo este período:
“Em 19 de abril de 2005, Sua Santidade se inseriu na longa cadeia de Sucessores do Apóstolo Pedro e hoje, 28 de fevereiro de 2013, está prestar a deixar-nos, à espera que o timão da barca de Pedro passe a outras mãos. Assim, prosseguirá a sucessão apostólica, que o Senhor prometeu à sua Santa Igreja, até quando se ouvir sobre a terra a voz do Anjo do Apocalipse que proclamará ‘Já não haverá mais tempo… então o mistério de Deus estará consumado’. Terminará assim a história da Igreja, com a história do mundo, com o advento de novos céus e terra nova.”
O Cardeal Sodano afirmou que, “com profundo amor”, os cardeais tentaram acompanhá-Lo no seu caminho, revivendo a experiência dos discípulos de Emaús, os quais, depois de caminharam com Jesus, disseram um ao outro: ‘Não ardia o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho?’.
“Sim, Padre Santo, saiba que o nosso coração também ardia enquanto caminhávamos juntos nesses últimos oito anos. Hoje, queremos mais uma vez expressar-lhe toda a nossa gratidão. Em coro, repetimos uma expressão típica de sua querida terra natal: ‘Vergelt’s Gott’, Deus lhe pague!”

Fonte: http://www.radiovaticana.va

O último dia do Papa

Deixe um comentário

01Hoje, às 20h Bento XVI deixa de ser Papa. O programa que lhe aguarda é intenso. Pela manhã tem cumprimentado os cardeais, um por um, na Sala Clementina do Vaticano. “Somente nesse momento saberemos quantos cardeais terão vindo a Roma”, disse ontem o porta -voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, confirmando no briefing de hoje pela manhã, que contou 140 cardeais no encontro com o Papa nesta manhã.
Também hoje o apartamento pontifício será selado, como indica a constituição Universi Dominici Gregis, a lei sobre o final de um pontificado.
Tal documento foi atualizado pelo papa segunda-feira passada, com alguns detalhes, entre eles que a comissão de cardeais que se reune durante a sé vacante pode adiantar o conclave. Antes da mudança os cardeais podiam interpretar a lei e adiantar a eleição, agora, ao contrário é a mesma constituição que o permite sem necessidade de nenhuma interpretação.
Na parte da tarde, às 16h45 (12h45 no horário de Brasília) Bento XVI descerá no pátio de São Damião no Vaticano. Ali cumprimentará a algumas outras autoridades e seus colaboradores mais próximos que trabalham na Secretaria de Estado. Um piquete da Guarda Suíça vai render-lhe honras.
Será levado de carro ao heliporto, situado a uns 800 metros de distância, na parte alta da colina vaticana – uma das elevações que formam a cidade de Roma – amuralhada onde se encontra essa Cidade, coração da catolicidade.
Últimas saudações e daí voará aproximadamente às 17h , hora local (13h, hora de brasília), de helicóptero para Castel Gandolfo, a residência pontificia de verão localizada a 20 quilômetros de Roma, ou seja a uns 15 minutos de vôo. Bento XVI vai ficar lá por vários meses, porque não quer influenciar os cardeais que participam do conclave com a sua presença no Vaticano.
Somente após este tempo, voltará para o mosteiro Mater Ecclesiae, localizado dentro das muralhas. (O local do retiro do papa no Vaticano).
Ainda hoje pela tarde, com a sua chegada a Castel Gandolfo, o papa será recebido pelas autoridades locais da cidade e pelo bispo da diocese, Marcello Semeraro. Logo depois sairá na varanda de Castel Gandolfo – cerca das 17h30 (13h30, horário de Brasília) – para cumprimentar a população local.
Às 20 hs, na tranquilidade de Castel Gandolfo, Bento XVI deixará de ser papa. A partir deste momento se chamará “santidade Bento XVI” e usará a batina branca, sem a capa pequena que cobre os ombros e que caracteriza o pontífice que pastoreia a Diocese de Roma e é o “primus inter paris” da Igreja Católica.
Bento XVI será papa emérito, o cardeal camarlengo Tarcisio Bertone quebrará o anel do Pescador e o selo de chumbo. A Guarda Suíça – guarda pessoal do pontífice – fechará as portas do castelo de Castel Gandolfo e deixará de exercer suas funções neste tempo na residência temporal de Bento XVI, porque já não haverá papa para custodiar. Entrará em função a Gendarmeria do Vaticano, seus serviço de segurança.
A Igreja terá entrado na sé vacante.

Fonte: http://www.zenit.org

Bento XVI garante reverência e obediência ao novo Papa

Deixe um comentário

01Na manhã desta quinta-feira, 28 de fevereiro, o Papa Bento XVI teve um encontro com os membros do Colégio dos Cardeais, renovou seu compromisso de permanecer unido a todos, pediu que permaneçam em oração e declarou, solenemente, incondicionada reverência e obediência ao futuro Papa.
Assim como o cardeal Sodano, o Papa também citou a experiência dos discípulos de Emaús, afirmando que também para ele foi uma alegria caminhar em companhia dos cardeais nesses anos na luz da presença do Senhor ressuscitado.
Como disse ontem diante de milhares de fiéis que lotavam a Praça S. Pedro, a solidariedade e o conselho do Colégio foram de grande ajuda no seu ministério. “Nesses oito anos, vivemos com fé momentos belíssimos de luz radiosa no caminho da Igreja, junto a momentos em que algumas nuvens se adensaram no céu. Buscamos servir Cristo e a sua Igreja com amor profundo e total. Doamos a esperança que nos vem de Cristo e que é a única capaz de iluminar o caminho. Juntos, podemos agradecer ao Senhor que nos fez crescer na comunhão. Juntos, podemos pedir para que nos ajude a crescer ainda nessa unidade profunda, de modo que o Colégio dos Cardeais seja como uma orquestra, onde as diversidades, expressão da Igreja universal, concorrem à superior e concorde harmonia.
Aos Cardeais, o Papa expressou “um pensamento simples” sobre a Igreja e sobre o seu mistério, que constitui para todos nós a razão e a paixão da vida, escrita por Romano Guardini. Ou seja, de que a Igreja não é uma instituição excogitada, mas uma realidade viva. Ela vive do decorrer do tempo, transformando-se, mas em sua natureza permanece sempre a mesma. O seu coração é Cristo.
“Parece que esta foi a nossa experiência ontem na Praça. Ver que a Igreja é um corpo vivo, animado pelo Espírito Santo, e vive realmente da força de Deus. Ela está no mundo, apesar de não ser do mundo. É de Deus, de Cristo, do Espírito Santo e nós o vimos ontem. Por isso é verdadeira e eloquente a outra famosa expressão de Guardini:
A Igreja se desperta no ânimo das pessoas. A Igreja vive, cresce e se desperta nos ânimos que, como a Virgem Maria, acolhem a palavra de Deus e a concebem por obra do Espírito Santo. Oferecem a Deus a própria carne e o próprio trabalho em sua pobreza e humildade, se tornando capazes de gerar Cristo hoje no mundo.
Através da Igreja, disse o Papa, o mistério da encarnação permanece presente sempre. E fez um apelo aos Cardeais:
“Permaneçamos unidos, queridos irmãos, neste mistério, na oração, especialmente na Eucaristia cotidiana, e assim serviremos a Igreja e toda a humanidade. Esta é a nossa alegria que ninguém pode nos tirar. Antes de saudá-los pessoalmente, desejo dizer que continuarei próximo com a oração, especialmente nos próximos dias, para que sejais plenamente dóceis à ação do Espírito Santo na eleição do novo Papa. Que o Senhor vos mostre quem Ele quer. E entre vós, entre o Colégio dos cardeais, está também o futuro Papa, ao qual já hoje prometo a minha incondicionada reverência e obediência.”

Fonte: http://www.cnbb.org.br

Evangelho – Lc 16,19-31

Deixe um comentário

Evangeliario+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas
Naquele tempo, Jesus disse aos fariseus: “Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias. Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão à porta do rico. Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas. Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado. Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado. Então gritou: “Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas”. Mas Abraão respondeu: “Filho, lembra-te que tu recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. E, além disso, há um grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós”. O rico insistiu: “Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento”. Mas Abraão respondeu: “Eles têm Moisés e os Profetas, que os escutem!” O rico insistiu: “Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter”. Mas Abraão lhe disse: “Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos”.”
Palavra da Salvação.

Santos Romão e Lupicino

Deixe um comentário

santo do diaSão Romão entrou para a vida religiosa com 35 anos, na França, onde nasceram os dois santos de hoje. Ele foi discernindo sua vocação, que o deixava inquieto, apesar de já estar na vida religiosa. Ao tomar as constituições de Cassiano e também o testemunho dos Padres do deserto, deixou o convento e foi peregrinar, procurando o lugar onde Deus o queria vivendo.
Indo para o Leste, encontrou uma natureza distante de todos e percebeu que Deus o queria ali.
Vivia os trabalhos manuais, a oração e a leitura, até o seu irmão Lupicino, então viúvo, se unir a ele. Fundaram então um novo Mosteiro, que se baseava nas regras de São Pacômio, São Basílio e Cassiano.
Romão tinha um temperamento e caminhada espiritual onde com facilidade era dado à misericórdia, à compreensão e tolerância. Lupicino era justiça e intolerância. Nas diferenças, os irmãos se completavam, e ajudavam aos irmãos da comunidade, que a santidade se dá nessa conjugação: amor, justiça, misericórdia, verdade, inspiração, transpiração, severidade, compreensão. Eles eram iguais na busca da santidade.
O Bispo Santo Hilário ordenou Romão, que faleceu em 463. E em 480 vai para a glória São Lupicino.

Older Entries