Angelus 31-01-2016

Deixe um comentário

Santa Marta: “A corrupção é o pecado mais fácil para quem tem poder eclesiástico, político e econômico”.

1 Comentário

01“Pecadores sim, corruptos não”. Já é um slogan conhecido do pontificado do Papa Francisco o ataque contra esta chaga terrível da corrupção que “fede”, como dizia em Nápoles, e da qual é necessário “curar-se”, como afirmava no seu conhecido ensaio curto.
Também hoje, em Santa Marta, o Pontífice denunciou esta ‘erva daninha’ que domina a alma humana, rezando para que a debilidade que nos leva a pecar não se transforme nunca em corrupção. Porque naquele caso, é difícil voltar atrás, explica o Santo Padre, no sentido de que “um corrupto não sente necessidade de pedir perdão”, não sente a exigência. Ao contrário de outros pecadores. Basta-lhe o poder sobre o qual se baseia a própria corrupção.
E isso é grave, diz Francisco, recordando a história bíblica do rei Davi, que se apaixona por Betsabea, mulher do seu oficial Urias, a ponto de planejar a forma de encobrir o adultério. Escreve, então, uma carta na qual ordena: ‘Coloquem Urias na frente de batalha mais dura, depois retirem-se e deixem-no só, para que seja atingido e morra’.
Em suma, uma “sentença de morte”. Um homem “fiel” como Urias, “fiel à lei, fiel ao seu povo, leal ao seu rei”, disse o Papa, “carrega a sentença de morte.” Enquanto Davi, “santo, mas também pecador”, carrega a doença da luxúria.
“Isso – observou o Papa – é um momento na vida de Davi que nos mostra algo que todos nós podemos passar: é a passagem do pecado à corrupção. Aqui Davi começa, dá o primeiro passo para a corrupção. Tem o poder, tem a força…”. Ele está “seguro” do que faz, “porque o reino era forte”. E porque tem o diabo do lado sussurrando: “você consegue”.
Que é o que sugere para os poderosos: “seja poder eclesiástico, religioso, econômico, político”, disse o Papa. “Por isso – acrescenta – a corrupção é um pecado mais fácil para todos nós que temos algum poder… Porque o diabo faz-nos sentir seguros: ‘Eu consigo’”.
Este tipo de corrupção entrou, portanto, no coração do “grande e nobre” Davi, aquele “jovem corajoso” que tinha enfrentado o filisteu Golias com uma mísera funda. “Há um momento – destaca Bergoglio – onde o hábito do pecado ou um momento no qual a nossa situação é tão segura e somos bem vistos e temos tanto poder” que o pecado deixa de “ser pecado” e se torna “corrupção”. E “uma das coisas mais feias que tem a corrupção é que o corrupto não sente necessidade de pedir perdão”, diz o Papa, “não sente…”.
No entanto, “Deus perdoa sempre.” Isto é evidente, precisamente, na história de Davi: Deus continua a amá-lo “muito” apesar dele ter chegado a ordenar o assassinato de um homem leal apenas para levar a sua mulher para a cama. E no fim, Deus o salva da corrupção.
Porque “Deus perdoa sempre”, diz o Papa. Então, hoje, exorta: “façamos uma oração pela Igreja, começando por nós, pelo Papa, pelos bispos, pelos sacerdotes, pelos consagrados, pelos fieis leigos: ‘Mas, Senhor, salva-nos, salva-nos da corrupção’”. Recordando que “pecadores sim, Senhor – somos todos – mas, corruptos nunca!’”.

Fonte: http://zenit.org

Legenda Perusina

Deixe um comentário

74. Cada um faz tanto quanto sabe
1 Depois, passados vários meses, quando o bem-aventurado Francisco estava perto da igreja de Santa Maria da Porciúncula, perto de sua cela no caminho atrás da casa, e aquele frade falou-lhe de novo sobre o saltério.
2 O bem-aventurado Francisco disse-lhe: “Vá fazer como te disser o teu ministro”.
3 Ouvindo isso, o frade começou a voltar pelo caminho por onde tinha vindo.
4 Mas o bem-aventurado Francisco, permanecendo no caminho, começou a pensar no que tinha dito àquele frade,
5 e logo gritou para ele, dizendo: “Espera-me, irmão, espera!”.
6 e assim foi até junto dele, dizendo: “Volta comigo, irmão, e mostra-me o lugar em que te disse que fizesses do saltério o que te dissesse o teu ministro”.
7 Quando chegaram ao lugar onde tinha dito aquela palavra, o bem-aventurado Francisco inclinou-se diante do frade e, ficando de joelhos, disse:
8 “Minha culpa, irmão, minha culpa, porque quem quiser ser frade menor não deve ter senão as túnicas, como a regra lhe concede, o cordão e os calções e, os que forem obrigados por manifesta necessidade ou doença, os calçados”.
9 Por isso, a todos os frades que iam a ele para ter seu conselho a respeito disso, dava-lhes essa resposta”.
10 Por isso dizia: “Uma pessoa tem tanto conhecimento de ciência quanto põe em prática; e um religioso é tão bom orador quanto ele mesmo pratica”.
11 Como se dissesse: uma árvore boa não é conhecida senão pelo seu fruto (cfr. Mt 12,33; Lc 6,44)”.

Evangelho – Lc 4,21-30

Deixe um comentário

evangelho+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas
Naquele tempo: Entrando Jesus na sinagoga disse: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir.” Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca. E diziam: “Não é este o filho de José?” Jesus, porém, disse: “Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum.” E acrescentou: “Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria. De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia. E no tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio.” Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até ao alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.
Palavra da Salvação.

São João Bosco

Deixe um comentário

Logo Santo do dia (Franciscano)Sacerdote da Terceira Ordem (1815-1888)
Fundador da Congregação dos Padres Salesianos e o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora e os Cooperadores Salesianos. Foi canonizado por Pio XI no dia 1º de abril de 1934.
João Melquior Bosco, nasceu no dia 16 de agosto de 1815, numa família católica de humildes camponeses em Castelnuovo d’Asti, no norte da Itália, perto de Turim. Órfão de pai aos dois de idade, cresceu cercado do carinho da mãe, Margarida, e amparo dos irmãos. Recebeu uma sólida formação humana e religiosa, mas a instrução básica ficou prejudicada, pois a família precisava de sua ajuda na lida do campo.
Aos nove anos, teve um sonho que marcou a sua vida.
Nossa Senhora o conduzia junto a um grupo de rapazes desordeiros que o destratava. João queria reagir, mas a Senhora lhe disse: “Não com pancadas e sim com amor. Torna-te forte, humilde e robusto. À seu tempo tudo compreenderás”. Nesta ocasião decidiu dedicar sua vida a Cristo e a Mãe Maria; quis se tornar padre. Com sacrifício, ajudado pelos vizinhos e orientado pela família, entrou no seminário salesiano de Chieri, daquela diocese.
Inteligente e dedicado, João trabalhou como aprendiz de alfaiate, ferreiro, garçom, tipógrafo e assim, pôde se ordenar sacerdote, em 1841. Em meio à revolução industrial, aconselhado pelo seu diretor espiritual, padre Cafasso, desistiu de ser missionário na Índia. Ficou em Turim, dando início ao seu apostolado da educação de crianças e jovens carentes. Este “produto da era da industrialização”, se tornou a matéria prima de sua Obra e vida.
Neste mesmo ano, criou o Oratório de Dom Bosco, onde os jovens recebiam instrução, formação religiosa, alimentação, tendo apoio e acompanhamento até a colocação em um emprego digno. Depois, sentiu necessidade de recolher os meninos em internatos-escola, em seguida implantou em toda a Obra as escolas profissionais, com as oficinas de alfaiate, encadernação, marcenaria, tipografia e mecânica, repostas às necessidades da época. Para mestres das oficinas, inventou um novo tipo de religioso: o coadjutor salesiano.
Em 1859, ele reuniu esse primeiro grupo de jovens educadores no Oratório, fundando a Congregação dos Salesianos. Nos anos seguintes, Dom Bosco criou o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora e os Cooperadores Salesianos. Construiu, em Turim, a basílica de Nossa Senhora Auxiliadora, e fundou sessenta casas salesianas em seis países. Abriu as missões na América Latina. Publicou as Leituras Católicas para o povo mais simples.
Dom Bosco agia rápido, acompanhou a ação do seu tempo e viveu o modo de educar, que passou à humanidade como referência de ensino chamando-o de “Sistema Preventivo de Formação”. Não esqueceu do seu sonho de menino, mas, sobretudo compreendeu a missão que lhe investiu Nossa Senhora. Quando lhe recordavam tudo o que fizera, respondia com um sorriso sereno: “Eu não fiz nada. Foi Nossa Senhora quem tudo fez”.
Morreu no dia 31 de janeiro de 1888. Foi beatificado em 1929 e canonizado por Pio XI em 1934. São João Bosco, foi proclamado “modelo por excelência” para sacerdotes e educadores. Ecumênico, era amigo de todos os povos, estimado em todas as religiões, amado por pobres e ricos; escreveu: “Reprovemos os erros, mas respeitemos as pessoas” e se fez , ele próprio, o exemplo perfeito desta máxima.

São João Bosco, rogai por nós!

4º dia de Capítulo é marcado pela eleição do novo Conselho Custodial

Deixe um comentário

01No quarto dia de nosso Capítulo Custodial iniciamos com a Santa Missa, adentrando na Mística da Caridade e Fraternidade, celebração esta presidida por frei Flaerdi Silvestre Valvassori e co-celebrada pelos demais irmãos sacerdotes. Na belíssima reflexão nos foi apresentado o rosto misericordioso do Pai, que na exposição da Parábola do Filho Pródigo, é o Pai que toma a iniciativa de amar, é o Pai que sendo todo doação esbanja Caridade; deixando a razão de lado agarra-se ao pescoço do filho e na expressão mais pura do amor lhe devolve a dignidade. Todos nós somos chamados a viver este “doar-se” todo, o “entregar-se” inteiramente a Jesus Cristo na pessoa do outro e aos pobres como São Basílio e fazer de nosso convívio a Cidade da Caridade; a ser uma Basiléia para o outro.
Após o café nos reunimos na sala Capitular e com a leitura da Ata do dia anterior iniciou a eleição do Custódio com uma Celebração própria, e sendo conduzido pelo Santo Espírito de Deus foi reeleito frei Flaerdi Silvestre Valvassori, com a incumbência de cuidar e zelar da Custódia em todos os seus âmbitos; pois ser Custódio é ser o menor de todos, é aquele que se dispõe a cuidar de todos. E que neste ano da Misericórdia nosso irmão menor frei Flaerdi possa se sentir realmente dentro do Sagrado Coração de Jesus!
Com a tomada de posse retornamos para a eleição do Vigário Custodial e Conselho que neste triênio estarão junto ao novo Custódio, a saber: frei Ezimar Alves Pereira; frei Bruno Alexandre Scapolan; frei Gilmar Vasques Carrera; frei José Luiz da Costa, e, frei Mauro Luiz de Oliveira, escolhidos entre os irmãos para que sejam aqueles que nos levam a amar mais e servir melhor Nosso Senhor Jesus Cristo e àqueles a quem o próprio Deus nos confiou.
No período vespertino foram retomados os trabalhos relacionados às secretarias, após intensas partilhas em grupo e exposições de propostas e sugestões, nos sentimos verdadeiramente Irmãos e Menores, responsáveis por esta casa, ou seja, a Ordem que abraçamos e a Entidade que nos acolheu, e já renovado o desejo de seguir a Jesus Cristo nos passos de São Francisco de Assis.

Fonte: http://www.franciscanos.org.br

Homilia Diária

Deixe um comentário

Fonte: https://padrepauloricardo.org

Older Entries