Capítulo Eletivo 12/6/2016

Deixe um comentário

No próximo domingo dia 12 de junho acontecerá o capítulo eletivo da Fratenidade São Luchésio e Buonadona de Balneário Camboriú. Nos encontraremos após a missa das 08:30 na sala de catequese nº 3 da Paróquia de Santa Inês no centro da cidade. O Capitulo deve começar por volta das 10 horas da manhã após um breve café de confraternização. Após o capítulo, os irmãos almoçarão juntos no restaurante Telhadão na Avenida Atlântica (Beira Mar), nº 1500. A presença de todos os professos e obrigatória, a não ser em comprovado caso grave para dispensa.

Contamos com as orações de todos e o “Sim” dos escolhidos. Felizes por rever os irmãos e partilhar este momento de fraternidade.

Paz e Bem!!

Pedro Testoni, ministro da fraternidade

Anúncios

Legenda Perusina

Deixe um comentário

60. Elogio da mendicidade
1 Porque tudo que o Pai celeste criou foi para a utilidade do homem, por amor do seu dileto filho, e continua a concedê-lo de graça e por esmola depois do pecado, aos dignos e indignos, por amor de seu dileto Filho.
2 Por isso o bem-aventurado Francisco dizia que o servo de Deus deve ir pedir esmolas por amor de deus como mais liberdade do que uma pessoa que, por sua cortesia e liberalidade, querendo comprar alguma coisa, saísse dizendo:
3 “A quem me der tal moeda, darei cem marcos de prata, e até mil vezes mais:
4 porque o servo de Deus oferece o amor de Deus que é merecido pela pessoa que dá esmolas, em cuja comparação tudo que existe neste século e também o que há no céu não é nada”.
5 Por isso, antes que os frades se tivessem multiplicado [e mesmo depois que se multiplicaram], quando o bem-aventurado Francisco ia pregando pelo mundo, se alguma pessoa nobre e rica com devoção insistisse com ele para comer em sua casa e lá hospedar-se,
6 porque em muitas cidades e castros em que ia pregar ainda não havia lugares dos frades, no seu tempo,
7 ainda que soubesse que a pessoa que o estava convidando tinha preparado abundantemente tudo que é necessário ao corpo por amor do Senhor Deus, ele, para dar bom exemplo aos frades e pela nobreza e dignidade da senhora pobreza, na hora da refeição ia pedir esmolas.
8 E algumas vezes dizia aos que o tinham convidado: “Eu não quero deixar a minha dignidade real, a herança, a vocação e a minha profissão e dos frades menores.
9 Isso quer dizer ir pedir esmolas, mesmo que não traga mais do que três esmolas, porque quero exercer o meu ofício”.
10 E ia pedir esmolas contra a vontade de quem convidara, que saía com ele, e recebia as esmolas que o bem-aventurado Francisco conseguia e, por devoção a ele, guardava-as como relíquia.
11 Quem escreveu viu isso muitas vezes, e deu testemunho.

Legenda Perusina

Deixe um comentário

52. Generosidade de Francisco
1 Nesse mesmo tempo, uma mulher pobrezinha de Machilone foi a Rieti por causa de uma doença dos olhos.
2 Certo dia, quando o médico veio ao bem-aventurado Francisco, disse-lhe: “Irmão, uma mulher doente dos olhos veio me procurar; mas é tão pobrezinha que tenho que ajudá-la por amor de Deus e pagar suas despesas”.
3 Ouvindo isso, o bem-aventurado Francisco ficou com pena dela, chamou um de seus companheiros, que era o guardião, e lhe disse: “Irmão guardião, temos o que devolver o que é dos outros”. Ele disse: “O que é, irmão?”.
4 E ele: “Temos que devolver esta capa que recebemos emprestada daquela mulher pobrezinha e doente dos olhos”.
5 Disse-lhe o guardião: “Irmão, faz o que te parecer melhor”.
6 O bem-aventurado Francisco chamou alegremente um homem espiritual, que era muito familiar, e lhe disse:
7 “Pega esta capa, e com ela doze pães, e vai disser isto àquela mulher pobrezinha e enferma, que o médico que cuida dela vai te mostrar:
3 O homem pobre a quem emprestastes este manto te agradece pelo empréstimo do manto que lhe fizeste; pega o que é teu”.
9 Ele foi e falou tudo como o bem-aventurado Francisco tinha dito.
10 Mas a mulher, pensando que estava sendo enganada, disse-lhe com medo e vergonha: “Deixa-me em paz, não sei do que falas”.
11 Mas ele colocou o manto e os doze pães na mão dela.
12 Quando a mulher viu que estava falando a verdade, recebeu-o com tremor e agitação do coração e, com medo de que lhe tirassem, levantou-se ocultamente de noite e voltou alegre para sua casa.
13 O bem-aventurado Francisco tinha até dito ao seu guardião que, enquanto estivesse lá, fizesse-lhe os pagamentos por amor de deus.
l4 Por isso, nós que estivemos com o bem-aventurado Francisco damos testemunho dele, que era de tão grande caridade e piedade em sua saúde {e enfermidade] não só com seus frades mas também com os pobres, sãos e doentes.
15 A ponto de dar aos outros, com muita alegria interior e exterior, o que era necessário a seu corpo, e que os frades às vezes adquiririam com muita solicitude e devoção, agradando-nos primeiro para que não ficássemos perturbados, mas tirando do seu corpo ainda que lhe fosse muito necessário.
16 E por isso o ministro geral e o guardião mandaram-lhe que não desse sua túnica a nenhum frades, sem sua licença;
17 porque os frades, pela devoção que lhe tinham, às vezes pediam e ele dava na mesma hora.
18 Ou então, ele mesmo, vendo algum frade enfermiço, ou mal vestido, às vezes dava-lhe a túnica, às vezes dividia-a e dava uma parte, guardando a outra parte para si, porque não usava nem queria ter a ser uma única túnica.

Mensagem de Natal do Ministro Regional

Deixe um comentário

Nicodemos Deschamps

Nicodemos Deschamps

Caríssimos Irmãos e Irmãs Paz e Bem! O fim do ano se aproxima e com ele tambem o grande momento, de celebrarmos o nascimento do menino Deus, que quer nascer no coração de cada um de nós, que todos nós possamos sentir o desejo de acolhe-lo, assim como nosso Seráfico Pai São Francisco desejou ve-lo no Presépio em cima da palha com toda sua humildade e pobreza e contemplando-o em sua divindade como o Rei que haveria de reger todas as Nações.

Quero neste momento, agradecer a todos os irmãos e irmãs de nosso regional Sul 2, Ministros (as) locais Assistentes locais de nossas Fraternidades, os Assistentes regionais, Coordenadores de Distritos, Formadores, Membros do Conselho regional, Editores da Revista Cotovia e todos que colaboraram quando solicitados a executar tarefas. A todos muito obrigado e que o menino da mangedora possa estar presente no coração de cada irmão e irmã e de sua familia.
Feliz Natal e um Abençoado Ano Novo de 2014. Um grande Abraço a todos!  
Fraternalmente
Nicodemos Deschamps

Sabedoria de Padre Pio

Deixe um comentário

Padre PioNunca desista de buscar a verdade e de conquistar o bem maior.

Jesus disse: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”. Nunca desista de buscar a verdade diz padre Pio. Mas o que é a verdade? Pilatos ao interrogar Jesus pergunta: “Quid est veritas?” Jesus é a verdade e a verdade é Jesus.
Estamos cansados deste relativismo religioso que afirma que cada um tem a sua verdade. E que o que é verdade para mim não é verdade para o outro. Ora, a verdade é uma só. Jesus é a verdade. Jesus é a verdade para mim que sou cristão, mas também para você que é ateu. Para você que é espírita, budista, hinduísta, muçulmano, judeu, hare krishna, enfim… Jesus é “A Verdade”. E “A Verdade” é uma só. Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e por toda eternidade e Ele não é só para os cristãos, mas para toda a humanidade. Todas as pessoas, mesmo aquelas que nunca ouviram falar de Jesus, só serão salvas por meio dEle que é a única e irrevogável verdade. Não há outra verdade e nem haverá. Chega de relativismos!
O que está acontecendo é que com essa história de cada um ter a sua verdade com ‘v’ minúscula, esquecemos de buscar a verdade com ‘V’ maiúscula. E acabamos, por assim dizer, desistindo de buscar a verdade. Já que ela relativou-se. Mas tudo pode passar, menos a Palavra de Deus que é Nosso Senhor Jesus Cristo. O verbo que se fez carne. Ele não muda, Ele não passa. Ele é a verdade que devemos buscar sempre, sem cessar. Todos os dias, em todos os momentos.
Nunca desista de buscar a verdade, diz padre Pio. E de conquistar o bem maior. Jesus é o bem, o sumo bem, a fonte de todo bem e não há bem fora dele, já dizia nosso Seráfico Pai, Francisco de Assis. Ele é o bem maior. Ele é o nosso objetivo, o nosso fim último. A razão de nossas vidas. O motivo de nossa existência. A alegria da nossa juventude. Sem Ele nada somos e nada seremos.
Seu olhar nos seduz, nos conquista, nos envolve, mas o pecado quando damos uma brecha, se instala de tal forma em nossas vidas, que vamos nos afastando do bem maior. Vamos acreditando em outras verdades, falsas verdades que muitas vezes servem de justificativas para os nossos erros. Mentiras contadas a nós pelo inimigo de Deus que nos fazem afundar cada vez mais no pecado e cada vez mais achar que é impossível ser santo.
E assim vamos vivemos uma ilusão. Uma falsa felicidade. Pensamos que sabemos de tudo, que temos tudo sobre controle, mas na verdade já perdemos nossa alma.
Trocamos o bem maior, por bens menores. Por bens passageiros. Por bens ilusórios. Por bens que de fato nos fazem mais mal do que bem. Que causam muito mais malefícios para a nossa alma do que os enganosos benefícios para o corpo.
Porém padre Pio diz: Nunca. Nunca, desista. Nunca desista de Jesus. Nunca desista de buscar o Senhor. Nunca desista de buscar a verdade. A verdade que cura, liberta, restaura…
O senhor perdoa sempre. E nos acolhe. Lava, purifica, nos faz novas criaturas.
Que a nossa motivação seja o amor e que na alegria de sabermos que somos filhos e filhas de um Deus que nos ama, busquemos a verdade sem temor e sem desânimo para dessa forma conquistarmos um bem maior que é a vida eterna.
Que assim seja, amém.

Paz e bem!

Rodrigo Hogendoorn Haimann, ofs

Sabedoria de Padre Pio

1 Comentário

Padre PioFeliz a alma que atinge o nível de perfeição que Deus deseja!

E qual é este nível de perfeição?
Muita gente tem uma mentalidade protestantizada de que não é possível alcançar a santidade porque só Deus é Santo, não é possível atingir a perfeição porque só Deus é perfeito. Mas se fosse assim o próprio Jesus não teria dito no evangelho: “Sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito”.
Já no antigo testamente, no livro de Levítico está escrito: “Porque eu sou o SENHOR vosso Deus; portanto vós vos santificareis, e sereis santos, porque eu sou santo”.
A santidade não é apenas um convite que Deus nos faz, mas uma ordem que Ele nos dá.
Precisamos ser santos. Ou Santos ou Santos. Não há escolha. Não há outro caminho. Só um é O caminho, A verdade e A vida. E este é Jesus. Quem não ajunta com Ele, espalha. Ninguém pode servir a dois Senhores. Ou estamos com Deus ou estamos contra Deus. Não há meio termo. Não podemos ficar em cima do muro.
No livro do Apocalipse Deus revela ao discípulo amado de Jesus: “Oxalá fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, nem frio nem quente, estou para te vomitar de minha boca”.
Não podemos ser mornos. Chega disso! Precisamos ter coragem para assumir que somos de Cristo. Não queremos ser vomitados da boca de Deus. Queremos ser Santos sim. Não por vaidade, mas por necessidade. A santidade em nossa vida urge. A santidade de nossos filhos e filhas. De nossa sociedade.
Que maravilha se todas as pessoas buscassem a perfeição. Buscassem a santidade que Deus deseja. Seríamos verdadeiramente felizes, como um dia seremos felizes no céu.
Mas temos a obrigação de iniciar aqui, ainda nesta vida o reino dos céus. Em cada Santa Missa que participamos. Em cada adoração ao Santíssimo Sacramento, vamos nos aproximando mais e mais de Deus e nos afastando cada vez mais do mundo. E aí há verdadeiramente uma comunhão entre o céu e a terra. O reino dos céus que desce até o nosso encontro, na pessoa de um Deus que se fez homem. Que se fez carne. Que se fez um de nós. Armou sua tenda entre nós e veio morar em nosso meio.
Feliz a alma que atinge o nível de perfeição que Deus deseja, diz padre Pio. E não há, caríssimo, outra forma de ser feliz.
Não se engane com as falsas alegrias que vem do mundo e que podem até assemelhar-se com a felicidade, mas que estão ainda longe dela.
Nenhum bem material pode te fazer feliz. Nenhum relacionamento humano pode te fazer feliz. Nenhuma montanha de dinheiro, cargo, fama, sucesso, honrarias, mulheres, prazeres, comida, bebida pode te fazer feliz.
Só somos felizes quando estamos na presença de Deus. Quando buscamos a Deus. Quando nos colocamos a Seu serviço. Quando atingimos, ou ao menos tentamos atingir o nível de perfeição que Ele deseja de nós.
Esforcemo-nos para tanto. Afastemos de nós essas ideias protestantes de que a santidade não é possível e que no céu entraremos pecadores revestidos pela graça. Pois no céu, só entra santo.
Que assim seja.
Amém.

Paz e bem!

Rodrigo Hogendoorn Haimann, ofs

O dom do Entendimento

Deixe um comentário

MinistroOs dons do Espírito Santo são sete: Sabedoria, Entendimento, Conselho, Fortaleza, Ciência, Piedade, e Temor de Deus.
E o dom do entendimento é o dom do conhecimento, pois a pessoa consegue entender e conhecer aquilo que se passa no coração e na mente das pessoas. O Padre Pio era um sacerdote que tinha o dom do entendimento. Ele usava este seu dom para ajudar muitas pessoas e salvar muitas almas. Quando alguns penitentes iam ter com Padre Pio e, por esquecimento ou timidez, escondiam um ou outro pecado, o Padre lembrava-os dizendo: “Falta-te este pecado que cometeste duas ou três vezes”. Este dom era utilizado por Padre Pio unicamente para o bem do penitente. Podemos afirmar que Francisco de Assis também tinha o dom do entendimento, de uma forma tão apurada que era capaz de ler os pensamentos.
Caríssimo, você já imaginou o que faria se tivesse a capacidade de ler pensamentos?
Será que não ficaríamos curiosos para saber o que os outros estão pensando de nós?
Poderíamos acabar caindo na tentação de usar este dom para coisas erradas não é mesmo? Mas os grandes santos que tinham este dom só o usavam para o bem. Mesmo porque acredito que o mesmo Deus que nos dá o dom só permite que ele seja usado na hora em que Ele quer e para a finalidade que Ele quer.
Nos escritos de Tomás de Celano, grande biógrafo de São Francisco, o “ler o pensamento” não é uma coisa intencional, mas sim, uma espécie de revelação de Deus. Realmente um dom do Espírito Santo. Um dom usado neste caso para a edificação do outro. Portanto sabemos que todos os dons que Deus nos dá, Ele não nos dá para nos exibirmos com eles nem para os usarmos do jeito que quisermos, mas sim do jeito que Deus quer e na hora que Ele quer.
Francisco de Assis e seus companheiros costumavam fazer longas caminhadas. Às vezes muitos dias e em condições climáticas diversas. Ora sob um sol fervente, ora na neve ou na chuva e raramente usavam algum tipo de montaria. Costumavam levar um jumento para carregar bagagens. Logicamente que não levavam quase nada pelo caminho, mas quando levavam alguma coisa, quem carregava era o burro.
Conta Celano que em determinada viagem, voltando de além-mar com Frei Leonardo, ambos já muito cansados, Francisco por não aguentar mais, teve que fazer um trecho montado no jumento. E Frei Leonardo vinha logo atrás pensando e murmurando em seu coração que não era justo ele ir a pé, pois sua família era mais nobre do que a família de São Francisco. Reclamando em seu íntimo e sendo mesquinho em suas conclusões malévolas.
Então nosso seráfico Pai, apeou de repente e disse: “Não, irmão, não convém que eu vá montado e tu a pé, tu que no mundo eras mais nobre e mais poderoso do que eu”. O Espírito Santo revela o pensamento de Frei Leonardo para Frei Francisco para a própria edificação de Frei Leonardo, pois quando o “poverello” revela ao seu confrade saber o que ele estava pensando no íntimo de seu coração, Leonardo ficou triste e envergonhado. Lançou-se aos pés do Santo confessando, em lágrimas o que tinha pensado, e pediu perdão.
Muitas vezes nós também somos como Frei Leonardo, fazemos as coisas com uma falsa alegria, mas em nosso íntimo estamos murmurando, reclamando, nos queixando injustamente. E pensamos que ninguém sabe o que se passa pela nossa cabeça. Mas Deus sabe. Sabe e pode revelar para quem quer que seja e em qualquer momento. E imagine a vergonha que passaríamos. Só de imaginar que algum irmão de minha fraternidade possa saber o que eu estou pensando já fico envergonhado, pois é como ficar nu, não é mesmo?
Então deixemos de murmurar. Deixemos estes maus pensamentos de lado. Quando você perceber que o espírito da murmuração está tomando conta de você, renuncie em nome de Jesus. Expulse este pensamento. Reze uma ave-maria!
Ao invés de reclamar, vamos agradecer a Deus e entregar todo o nosso sacrifício a Jesus para que seja oferta agradável a Deus no altar da Cruz do Senhor.
Que assim seja, amém.

Paz e bem!

Rodrigo Hogendoorn Haimann, ofs

Older Entries